O segredo do fracasso

O segredo do fracasso

Quem conhece o sucesso fracassou o suficiente até que  aprendeu a dirigir com maestria a própria vida.

Todos os dias nos deparamos com situações desafiadoras. Desemprego para uns, relacionamentos abusivos ou mal sucedidos para outros, uma doença, vícios- os mais variados deles- por comida, pela internet, por mentir, fumar… seja qual for a nossa dor, a chave para abrir a porta  e vencer o obstáculo é o desejo verdadeiro de mudar.

 

Como criar hábitos transformadores?

O primeiro passo e o mais importante é aceitar que é chegada a hora da mudança.

Se você está insatisfeito com os resultados precisa mudar a estratégia, portanto não se prenda às antigas crenças. A grande sacada é ouvir com atenção o que diz o coração e não a mente, e expiar com os olhos da consciência todas as suas atitudes. Para isso você deve:

  • Não julgar. Apenas se observe.
  • Baixe a guarda. Pergunte a opinião de um bom conselheiro.
  • Domine a rebeldia. Já que está na caverna, aproveite para refletir, amansar o coração, ver todos os tropeços, as perdas e os ganhos.
  • Sinta-se responsável de uma vez por todas. Ninguém tem nada a ver com seus problemas, embora muitos estejam envolvidos de alguma maneira.

O grande empreendedor e estrategista em desenvolvimento pessoal, Tony Robbins, diz que tudo que fazemos ou é para evitar dor ou é desejo de obter prazer. Muitas vezes não sabemos  a razão, mas a força que está por traz de todo comportamento humano é a DOR E PRAZER. É essa força que molda nossa vida.

Para as doenças da matéria existem médicos. Para as dores da alma o AUTOCONHECIMENTO.

Essa voz repetitiva que tanto aborrece, relembrando coisas negativas e fracassos. Esse sussurro que invade sua mente e molda suas emoções e consequentemente suas ações.

Que autoridade essa voz que cochicha ao seu ouvido tem para dirigir a sua vida? Que tal perguntar para essa ideia recorrente quem ela pensa que é?

Quantas alegrias tem te dado?

O quanto dar ouvido a essas mensagens tem lhe trazido prejuízos? Pense! Pense de novo.

“Até que você torne o inconsciente em consciente, aquele irá direcionar a sua vida e você irá chamá-lo de destino”. Carl Jung.

Há pessoas que se habituam ao sofrimento.

É como a história do cãozinho com o prego na barriga. Você conhece essa história?

“Um rapaz estava dirigindo há horas em um deserto. De repente, ele se depara com um posto de gasolina bem simples, com uma bomba de gasolina e apenas um senhor de aproximadamente uns 70 anos de idade, sentado em uma cadeira de balanço antiga e ao seu lado estava um cachorro. O rapaz para o carro e diz:

– Senhor, por favor, encha o tanque para mim. O senhor levantou e começou a encher o tanque.

Enquanto fazia isso, eis que o jovem motorista avistava a reação do cachorro que chorava e parava, chorava e parava. O motorista agoniado com o fato, pergunta ao senhor:

– Esse cachorro é do senhor?

– Sim – respondeu o senhor.

– Então me responda, por que ele não pára de uivar?

O senhor responde:

– É porque ele está sentado em um prego.

– Então por que ele não levanta e sai dali? – indaga o rapaz.

– ” É que não deve estar doendo tanto – Dói-lhe o suficiente para se queixar, mas não o suficiente para se mexer” – responde o senhor.

Não reclame do que você permite!

Medite, respire, investigue.

Qual o benefício, o ganho secundário, o prazer que você experimentou que te mantém nesse padrão negativo? Você sabe que precisa emagrecer, mas comer é bom, não é? Se você sabe o que tem que ser feito e não faz, ou o prazer momentâneo te mantém ali ou você  acredita que será mais doloroso mudar.

Analise o que lhe custa e o que lhe custará em alguns anos continuar nessa situação. Além disso, sonhe com os resultados positivos e perceba quão feliz ficará. Sintonize essa frequência.

A vida é consequência dos nossos atos.

Crie regras realistas que possam ser cumpridas diariamente e que ao fim do dia lhe tragam uma sensação positiva, de bem-estar e que possam efetivamente demonstrar que você está caminhando de forma consciente em busca da autorrealização.

A autodisciplina é uma amiga que nos dá suporte nas horas em que a motivação não comparece.

 

Um grande abraço!

Fechar Menu

Olá! Clique aqui e fale com a Dani Amorim

Estou no WhatsApp